16°C 26°C
São Paulo, SP
Publicidade

Lider do PL, Dep. Josimar do Maranhãozinho, pagou irmão, aliados e escola de filhos com dinheiro de convênios, afirma PF

A Polícia Federal aponta em uma investigação sobre Josimar Maranhãozinho (PL-MA) a suspeita de que valores provenientes de convênios federais foram parar nas contas do irmão do parlamentar, de aliados políticos e utilizado no custeio da escola dos filhos do deputado federal.

24/04/2024 às 14h42 Atualizada em 08/05/2024 às 14h22
Por: Carlos Leen
Compartilhe:
Imagens feitas pela Polícia Federal com autorização da Justiça mostram o deputado Josimar Maranhãozinho (PL-MA) manuseando maços de dinheiro em seu escritório político no Maranhão - Reprodução PF
Imagens feitas pela Polícia Federal com autorização da Justiça mostram o deputado Josimar Maranhãozinho (PL-MA) manuseando maços de dinheiro em seu escritório político no Maranhão - Reprodução PF

Via Folha de SP

A Polícia Federal aponta em uma investigação sobre Josimar Maranhãozinho (PL-MA) a suspeita de que valores provenientes de convênios federais foram parar nas contas do irmão do parlamentar, de aliados políticos e utilizado no custeio da escola dos filhos do deputado federal.

As informações estão no relatório final da PF da operação Engrenagem, que apura a atuação de uma organização criminosa na fraude de um convênio do Ministério da Agricultura para "adequação de estradas vicinais" no município de Zé Doca (MA), comandado pela irmã do deputado.

O documento aguarda manifestação da PGR (Procuradoria-Geral da República) desde dezembro de 2023. Cabe à PGR denunciar, pedir novas medidas ou arquivar o inquérito.

O contrato no valor de R$ 1,8 milhão foi assinado com a PRL Pereira ME, flagrada pela PF em transações suspeitas com empresas e pessoas ligadas ao deputado.

Além desse convênio, a PF cita no relatório outros R$ 15 milhões em verbas do Ministério da Saúde somente em 2020 destinadas por Maranhãozinho para cidades maranhenses.

O advogado José Eduardo Cardozo, defensor do deputado, disse à Folha que todas as transações na pessoa física e das empresas de Maranhãozinho são regulares, lícitas e foram declaradas à Receita.

De acordo com o advogado, as informações do relatório da PF são ilações e não existem provas que liguem Maranhãozinho a irregularidades. "O inquérito não admite o contraditório, essas conclusões da PF serão colocadas por terra", afirma Cardozo. A Folha não conseguiu contato com a PRL e seus sócios.

O deputado federal Josimar Maranhãozinho (PL) - Divulgação/Facebook

A PF chegou a uma rede de empresas suspeitas de serem de fachada e que podem ter sido utilizadas para desvios em vários contratos abastecidos com emendas parlamentares de Maranhãozinho. Isso ocorreu durante a investigação do convênio bancado com dinheiro do Ministério da Agricultura e outras investigações que o deputado é alvo.

"O esquema criminoso envolve o repasse de verbas públicas dos municípios supracitados para pessoas físicas e jurídicas controladas pelo deputado federal Josimar Cunha Rodrigues, que acompanha e empreende esforços para a liberação dos recursos em Brasília, utilizando a facilidade que o cargo de deputado federal lhe oferece, no trâmite junto aos órgãos públicos", diz a PF.

O deputado ficou nacionalmente conhecido após ter sido filmado pela PF com autorização da Justiça com maços de dinheiro em seu escritório político no Maranhão.

Segundo a PF, um dos beneficiários do dinheiro desviado das licitações pagas com dinheiro federal foi o irmão do parlamentar, chamado Ailton Cunha Rodrigues.

Tabelas encontradas pelos investigadores mostram que, entre os meses de janeiro e junho de 2020 (enquanto o convênio com o Ministério da Agricultura estava em vigor), Ailton Cunha Rodrigues recebeu uma transferência de R$ 50 mil da PRL Pereira, empresa que ganhou a licitação na cidade de Zé Doca.

Folha não conseguiu contato com o irmão do parlamentar.

Em outra planilha, de maio de 2020, diz a PF, identificou-se que a empresa PRL Pereira "provavelmente foi a responsável pelo pagamento das referidas despesas, que incluem a escola dos filhos" do deputado Josimar Maranhãozinho.

"No referido documento, constam a soma das despesas do escritório do parlamentar, com anotações feitas à mão 'Renatinho R$ 16.400,00", diz o relatório da PF.

Renatinho seria Renato dos Santos Lima Filho, que aparece como sócio da PRL Pereira.

Conversas por aplicativo de mensagens entre Renato Filho e Josimar Maranhãozinho mostram o deputado cobrando do empresário o repasse de valores que teriam sido acordados entre eles.

"Estou aguardando a sua parte do acordo que até agora nada", enviou ao empresário o deputado em 18 de agosto de 2021.

"Entendi...eu estou tentando resolver, mas até agora não consegui! E cada dia minha situação piora, financeira sem entrar nada, mas tudo bem vou continuar tentando [sic]! Até conseguir", responde Renato Filho. "Fizemos um acordo onde ficou tudo certo", completa o deputado.

Em setembro do ano anterior, o empresário havia relatado para a esposa a situação da dívida, e que Josimar não lhe dava mais obras. "Nós estamos acabados", afirmou. Em outros diálogos com a esposa, Renato Filho fala de ligações de Josimar para cobrar os valores e contatos do escritório do parlamentar.

Foi no escritório que a PF filmou o parlamentar com maços de dinheiro em outra investigação, a operação Descalabro.

A PF também encontrou em celulares apreendidos na investigação mensagens entre as funcionárias de Maranhãozinho e o empresário. O escritório do deputado, diz a PF, encaminha "programações financeiras em forma de planilhas" e, em seguida, o empresário manda os comprovantes de transferências e depósitos.

"Importante ressaltar que existem programações de entrega em espécie no escritório, normalmente identificadas nas tabelas como Gaveta e Escritório 13 (referência aos escritórios do décimo terceiro andar do edifício Office Tower em São Luís)", diz a PF.

Uma das programações relacionada ao convênio do Ministério da Agricultura enviada pelas funcionárias do deputado ao empresário era no valor R$ 275 mil. Segundo a PF, o valor foi entregue em espécie no escritório do Maranhãzinho e "boa parte" foi destinada a campanhas de políticos aliados do parlamentar.

São citados ao menos quatro políticos do PL que disputaram as eleições municipais de 2020 no Maranhão.

"Verificou-se a existência de uma organização criminosa, estruturalmente ordenada, com divisão de tarefas em vários níveis e participação ativa de diversas pessoas, chefiada pelo Deputado Federal Josimar Cunha Rodrigues, que atua no interior do estado do Maranhão, visando a prática de crimes contra a administração pública e a ordem financeira nacional", concluiu a PF.

Texto: FABIO SERAPIÃO 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
São Paulo, SP
22°
Tempo limpo

Mín. 16° Máx. 26°

21° Sensação
2.57km/h Vento
44% Umidade
0% (0mm) Chance de chuva
06h47 Nascer do sol
05h28 Pôr do sol
Qua 28° 16°
Qui 28° 18°
Sex 28° 17°
Sáb 28° 18°
Dom 30° 20°
Atualizado às 18h06
Publicidade
Publicidade
Anúncio
Economia
Dólar
R$ 5,44 +0,34%
Euro
R$ 5,84 +0,42%
Peso Argentino
R$ 0,01 -0,03%
Bitcoin
R$ 375,853,06 -2,06%
Ibovespa
119,630,44 pts 0.41%
Publicidade
Anúncio
Publicidade
Anúncio
Publicidade
Anúncio
Publicidade